Presidente da República profere Conferência no Fórum da Língua Materna Cabo-verdiana

5

Sua Excelência o Presidente da República, José Maria Neves, profere, este Sábado, 24 de fevereiro, às 17H30, uma Conferência no quadro do Fórum da Língua Materna Cabo-verdiana, que estará a decorrer no Campus da Universidade de Cabo Verde, em Palmarejo Grande.

Trata-se de uma iniciativa conjunta da Associação da Língua Materna Cabo-verdiana, ALMA- KV, e da Plataforma Associação Cabo Verde Diáspora, em parceria com a Universidade de Cabo Verde, aludindo ao Dia Internacional da Língua Materna, assinalado na última quarta-feira, 21 de fevereiro.

O Fórum reúne académicos e especialistas, residentes e da diáspora, além de instituições ligadas à matéria e a sociedade civil em geral, num espaço de diálogo e de construção conjunta e colaborativa de ideias e de consensos, para uma “imersão” na língua materna cabo-verdiana, matriz identitária do povo e da Nação.

A partir dos debates em torno dos grandes painéis como “Política linguística vigente e suas consequências”, “Desconstrução de ideias feitas/mitos sobre a língua cabo-verdiana” e “Oficialização da língua cabo-verdiana”, o fórum espera produzir recomendações que possam ajudar a formar políticas e atuações que valorizem e fortaleçam no tempo a nossa língua.

O Chefe de Estado associa-se, assim, ao elevado momento de reflexão sobre a língua cabo-verdiana que reclama, de todos, a sua contínua valorização e projeção.

José Maria Neves, como deixara patente no seu histórico discurso de tomada de posse “Ousemos/Nu Oza”, em português e na língua materna cabo-verdiana, assume-se como um acérrimo defensor da língua cabo-verdiana, mantendo-se atento e comprometido com a preservação e a promoção deste património cultural tão essencial para a identidade nacional. “Nos Língua Matérnu é konponenti di nos kultura ki más y midjór ta sintetiza y ta traduzi nos jésta eróiku komu Povu y nos identidadi kultural”, sublinhara na ocasião, o Mais Alto Magistrado da Nação, sempre procurando chamar a atenção da sociedade para a importância da língua, enquanto o nosso traço identitário maior enquanto povo e nação.