Apresentação do livro “Noite Escravocrata/Madrugada Camponesa: Cabo Verde séc. XV – XVIII” marca o início das atividades da Semana da República

68

O Salão Beijing, na Presidência da República, acolheu hoje a primeira atividade da Semana da República 2022, que se comemora sob o signo da história, cultura e memória. A obra “Noite Escravocrata/Madrugada Camponesa: Cabo Verde séc. XV – XVIII”, do historiador, sociólogo e docente universitário António Correia e Silva, analisa o processo de mudança em Cabo Verde ao longo de três séculos e faz uma incursão pela genética de identidades.

O autor explica como o cativo africano se tornou escravo cabo-verdiano e, igualmente, como o nobre reinol se transforma em proprietário fundiário e armador de Santiago.

O livro foi dado à estampa pela Editora Rosa de Porcelana e contou com apresentação da professora de história, Antonieta Lopes, e do engenheiro João Pereira Silva.

Para o Presidente da República, José Maria Neves, que prestigiou o evento, é preciso “conhecer e valorizar a nossa história. Neste livro descobrimos novos protagonistas, novos contributos, como os de António da Noli, dos escravos, das mulheres para a construção da nação cabo-verdiana e a importância na nossa língua. Muitas vezes debatemos superficialmente as coisas sem conhecer os seus fundamentos, os seus alicerces”.

Sobre a Semana da República, Neves refere ao seu simbolismo e à sua importância, pois há que “valorizar os símbolos da República. E acrescenta que “só pela pedagogia podemos continuar a construir os caminhos da liberdade e aprofundar a vivência democrática aqui em Cabo Verde.

As atividades da Semana da República prosseguem no domingo, 16, com a conferência “Por uma etnografia da liberdade da história de Cabo Verde”, que decorrerá nos Paços do Concelho de Ribeira Grande de Santiago.

No dia 18, a Casa das Bandeira, em São Filipe, Fogo, será palco da abertura da programação do centenário da Cidade de São Filipe e, ao mesmo tempo, a apresentação do livro de António Correia e Silva.

No dia seguinte, será a vez da conferência “Henrique Teixeira de Sousa – um ilhéu de causas” no auditório Padre Pio, também em São Filipe.

A fechar a Semana, no dia 20, o grupo Raiz de Polon será homenageado pela Presidência da República, que acolhe, ainda, o lançamento do livro “Crónicas Soviéticas”, de Osvaldo Lopes da Silva, e um pôr-do-sol com os combatentes da liberdade da pátria.