Presidente da República na Cimeira Extraordinária da CEDEAO sobre a crise no Mali

7
 
28 de Agosto 2020
O Presidente Jorge Carlos Fonseca felicitou Jonathan Goodluck pelo trabalho meritório feito, assim como o Presidente da Comissão da CEDEAO;
Disse que a CEDEAO deve prosseguir na linha de liderança deste dossier e considerou o projecto de declaração equilibrado e realista e felicitou os que trabalharam nesse documento.
Considerou que a situação do Mali é muito difícil, mas para sair dela deve-se equilibrar os princípios fundamentais defendidos pela organização, nomeadamente a paz, o respeito pela constituição, assegurando a natureza civil e apartidária da liderança da transição, através de um Presidente e de um Primeiro-Ministro de consenso . Considerou que a transição não deve ser longa devido a impactos negativos, que deve durar o mínimo de tempo possível, suficiente a permitir que eleições sejam realizadas em ambiente de serenidade, sejam credíveis, justas, transparentes, com resultados aceites por todas as partes.
Terminou expressando agrado na decisão do Presidente do Mali em se ter demitido, para facilitar uma solução razoável, aceitável em nome dos interesses superiores do Mali, pelo que merece respeito, consideração e aplauso de todos.
Durante a Cimeira foi anunciada a libertação do Primeiro-Ministro do Mali.
Quanto às decisões finais:
Consultar o Tribunal Constitucional e todas as forças vivas do MALI que possam concorrer para a solução da crise; Uma transição dirigida por civis; Duração da transição que não ultrapasse 12 meses; As Sanções são instrumentos essenciais neste processo e devem se manter, com as excepções anunciadas anteriormente (alimentos, medicamentos, combustíveis, electricidade).
Foi convocada nova Cimeira da CEDEAO para 7 de Setembro de 2020, em Niamey.