05 de Fevereiro-DIa Nacional do Pescador

58
Celebra-se hoje o Dia Nacional do Pescador e aproveitamos esta oportunidade para saudar os valentes homens do mar, que ganham a vida enfrentando muitos desafios e perigos para conseguirem abastecer o nosso mercado com peixe e outros produtos do mar. A atividade piscatória é de grande importância para a economia cabo-verdiana na medida em que representa a maior fatia da nossa exportação. Por outro lado, há que realçar que sendo Cabo Verde muito mais mar do que terra, naturalmente é aí que está concentrada a nossa maior riqueza.
 
A pesca é uma fonte de rendimento, direta ou indireta, de muitas famílias cabo-verdianas. Mas infelizmente esta atividade não tem proporcionado o necessário benefício à maioria dos pescadores e respetivas famílias que, muitas vezes, passam por dificuldades económicas.
Daí, lanço um repto aos pescadores no sentido de se organizarem ainda mais para que, através de associações, cooperativas, ou outras formas de Djunta Mon, consigam mais espaço para discutirem e encontrarem as melhores formas de defenderem os seus interesses, como por exemplo, conseguir uma melhor rede de frio, melhores condições para descarga, mais cais de pesca, conservação e venda do pescado em lugares adequados e com dignidade, condições mais vantajosas de financiamento, ou outros problemas que enfrentam no seu dia-a-dia.
 
Também incito a todos os pescadores a precaverem melhor dos imponderáveis relacionados com a sua atividade profissional, que é igualmente marcada pela sazonalidade e outros condicionalismos, tendo sempre presente que devem garantir a sua sobrevivência, particularmente na velhice ou quando se veem impedidos de trabalhar, por qualquer infortúnio. Assim, a inscrição na Segurança Social é indispensável.
Para que a pesca seja uma atividade sustentável, aos pescadores cabe um papel muito importante. Cabe-lhes defender uma gestão sustentável, não praticando uma pesca predatória, evitando a sobre-exploração, respeitando o período de defeso e, na medida do possível, não concorrer para o aumento da poluição e não contribuir para que o mar se torne numa armadilha para os peixes.
 
Numa altura em que se noticia o desaparecimento de pescadores no mar das ilhas, ocorrência que infelizmente tem enlutado muitas famílias cabo-verdianas, e de forma recorrente, reforço o pedido para que sejam respeitadas todas as normas de segurança, e que não se corram riscos desnecessários, de forma a impedir a perda de mais vidas humanas, para além de outros prejuízos. Envio igualmente a minha solidariedade a todas as famílias que perderam os seus entes queridos na faina da pesca.
 
José Maria Pereira Neves
presidente da República