Levo as melhores impressões de uma comunidade que quer ganhar o futuro

53

O Presidente da República terminou, esta quinta-feira, a visita de Estado ao Luxemburgo com um grande encontro com a Comunidade Cabo-verdiana, da qual leva as melhores impressões pela “resiliência e determinação em ganhar o futuro”.

O momento, mais uma vez, mereceu a ilustre presença do Grão-duque do Luxemburgo, uma disponibilidade que mostra “a grandeza das relações entre Cabo Verde e Luxemburgo”. 

José Maria Neves destacou o enorme esforço das autoridades luxemburguesas em garantir a melhor inserção e integração da comunidade cabo-verdiana, apesar dos desafios, que sempre ao de existir.

“Quis o destino que fosse eu a retribuir a visita efetuada a Cabo Verde pelo Grão-Duque em 2015” e “sentimo-nos em casa” com esse grande carinho e amizade”, ressaltou o Presidente que se reafirmou de todos os cabo-verdianos, independentemente da residência, opção política e religiosa, etc.

Sem palavras para agradecer  a grandiosa amizade e  generosidade, “o que podemos fazer é regressar a Cabo Verde e contrinuar a trabalhar para um pais cada vez mais melhor”  assumiu .

À comunidade em Luxemburgo, José Maria Neves lembrou que Cabo Verde é um país pequeno, que sem recursos naturais,  reinventa-se diariamente para viver e cedo espanlhou os seus filhos pelo mundo.

Sem palavras para agradecer a grandiosa amizade e generosidade, “o que podemos fazer é regressar a Cabo Verde e continuar a trabalhar para um pais cada vez melhor”, assumiu.

À comunidade no Luxemburgo, José Maria Neves lembrou que Cabo Verde é um país pequeno que, sem recursos naturais, reinventa-se diariamente para viver e cedo espalhou os seus filhos pelo mundo.

O país, reforça, precisa de todos os seus filhos para continuar a somar às conquistas que, com o apoio dos seus parceiros, vem acumulado desde a independência e debelar os desafios como a pobreza. 

O PR também ressaltou o esforço da comunidade em progredir e desejou sorte aos que são candidatos a eleições no Luxemburgo.

O encontro foi também um palco de demonstração da riqueza cultural do país, com atuações de batucadeiras residentes no Luxemburgo e o grupo de músicos proveniente de Cabo Verde.