PR visita Hospital Agostinho Neto e outras instituições de saúde pública e privadas

21

O Presidente da República, José Maria Neves, recebe em audiência no Palácio do Plateau, esta segunda-
feira, 09 de outubro, às 09h30, o Ministro do Turismo e Presidente do Conselho de Administração do Fundo Saudita para o Desenvolvimento, o Senhor Ahmad Ben Akhil AL –KHATIB, na qualidade de
enviado Especial de Sua Majestade Salman bin Abdulaziz Al Saud, Rei da Arabia Saudita.

Ainda nesta segunda-feira, o Chefe de Estado visita algumas instituições públicas de saúde (HAN-Hospital
Agostinho Neto e INSP-Instituto Nacional de Saúde Pública) e privadas (CAP-Centro de Atendimento
Psicológico, Policlínica Santiago).

As visitas decorrerão nos seguintes horários: 10h00: HAN; 11h00: CAP; 15h30: INSP; 16h30: Policlínica
Santiago.

Essas visitas acontecem no quadro do Dia Internacional da Saúde Mental, celebrado a 10 de outubro, sob
o mote «A Saúde Mental é Um Direito Humano Universal», constituindo uma oportunidade para o Mais
Alto Magistrado da Nação sublinhar essa data.

José Maria Neves, recorda-se, bastas vezes tem chamado a atenção dos cabo-verdianos para essa questão e alertado sobre a necessidade de os cabo-verdianos cuidarem da sua saúde mental e, sobretudo, tem alertado para o estigma que as pessoas portadoras de doenças mentais enfrentam, apelando à maior sensibilidade e sensibilização da sociedade sobre o tema.

Um desses momentos, apenas para citar um exemplo, foi a sua participação no Seminário Sobre a Inclusão, em fevereiro deste ano, promovido pela Uni-CV, em Santa Catarina de Santiago, onde José Maria Neves pediu uma corrente positiva pela inclusão das pessoas portadoras de deficiência, em particular aquelas com deficiências de ordem mental.

“Chamo a atenção para uma situação que, no meu entender, é uma questão de Direitos Humanos. De
entre as várias deficiências, a doença mental é das mais estigmatizadas, e a forma como a sociedade trata
os doentes mentais que circulam pelos nossos centros urbanos, deixa muito a desejar, e contribui para o
agravamento do seu estado de saúde. Mas se estes são vítimas de um certo tipo de violência, não estão
excluídos de outros, que afetam igualmente os com outras limitações, independentemente da idade, sexo
ou condição social. Essas ocorrências mostram a necessidade de se combater estereótipos e práticas
nocivas em relação a pessoas com deficiência, de forma a conseguir uma maior humanização, afastando
a estigmatização, a marginalização e a exclusão social”, refletiu, na ocasião, o Chefe de Estado.

Recorde o discurso supracitado, aqui: https://presidencia.cv/arquivo/8256