PR debate a paz e o desenvolvimento com jovens líderes associativos

36

No dia das Nações Unidas, e numa altura em que o mundo se confronta com vários conflitos nos vários continentes, o Presidente da República convidou jovens líderes associativos da região Santiago-sul, que compareceram em bom número, para um debate sobre as questões que se referem à paz e ao desenvolvimento, lembrando que “as Nações Unidas foram criadas para preservar as gerações futuras do espectro da guerra! Um dos fins das Nações Unidas é, precisamente, garantir a tolerância, garantir que as pessoas vivam em paz, uns com os outros, como bons vizinhos. De modo que isto não tem acontecido, visto que esses ideais das Nações Unidas estão a esgotar-se… Não há respeito de um estado pelo outro…”, reflete, referindo-se, por exemplo, ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

Neves recorda, mais uma vez, o conflito opondo Israel ao Hamas, a condenar os ataques de 7 de setembro, por parte do Hamas, e, ao mesmo tempo que, recorda as faltas do Estado Israelita no que no concernente ao respeito que deve haver pelas leis internacionais, em particular dos direitos humanitários, nesse conflito.

Cabo Verde, enquanto um pequeno Estado que defende o direito internacional, que defende o multilateralismo, deve nestes momentos de refletir e ver qual é a forma mais inteligente de se posicionar no momento,” a justificar o debate.

A questão do desemprego, da pobreza e das desigualdades sociais, Neves reafirma o seu engajamento no debate dessas questões como mostra esse evento de hoje, assim como os vários discursos e intervenções a chamar a atenção para esses desafios do país e para a necessidade de um debate nacional, “particularmente para melhorarmos as políticas públicas sobre essas matérias.

“Mais do que isso, tenho apelado a que haja o reforço da confiança mútua entre os atores políticos e a busca de muito maior sofisticação na formação das políticas públicas. Não só publicamente, mas também nos meus encontros com os membros do governo, com os partidos políticos, tenho-me referido a estas questões e tenho insistido na necessidade de um diálogo social muito mais produtivo, num diálogo político muito mais consistente e mais elevado, para podermos resolver os problemas de hoje”. Assim como o tem feito bastas vezes, o Chefe de Estado frisa a necessidade de o país “dar o salto, mudar o chip, e fazer as coisas de modo a afrontar os problemas que os cabo-verdianos vivem nesse momento”.

Oiça, aqui, a entrevista do PR aos órgãos de comunicação social presentes no evento.a resumir o que foi este alto momento de promoção do diálogo com a juventude, no Palácio do Plateau.