PR: “Nu insisti, nu rizisti, i ku txeu koraji, nu avansa”

7
“Kuarenta i seti anu dipos, e ku satisfason ki N ta nota ma sabura i spritu di kel Dia di Speransa ka more i es sa ta torna nase na kada 5 di julho” (Quarenta e sete anos depois, é com satisfação que constato que a alegria e o espírito daquele Dia auspicioso permanecem e são renovados a cada 5 de julho”).
 
O sentimento foi expresso, hoje, pelo Presidente da República, ao falar ao país, a partir da Casa Parlamentar, durante a Sessão Solene em comemoração ao 47º Aniversário da Independência Nacional, ocasião que considerou um símbolo de confiança e fator unificador e mobilizador da grande Família cabo-verdiana, nas ilhas e na diáspora.
 
O percurso do país foi de grandes desafios, mas “teimámos, perseverámos e, com muita coragem e sentido de responsabilidade, avançámos”, diz José Maria Neves, para quem o balanço atual é, a todos os títulos, positivo e, essencialmente, de enormes conquistas.
 
Por isso, Neves considera que se justifica plenamente que, para além dos atos solenes, as celebrações do 5 de julho recuperem as características de festa popular, antes comemorada com grande entusiasmo pelos bairros e cutelos do arquipélago e pelos quatro cantos do mundo onde se disseminam comunidades de cabo-verdianos.
 
“E, perante os atuais desafios, temos a obrigação de continuar a surpreender o mundo, com força, determinação, capacidade de resistência e resiliência, como já demonstrámos em situações muito mais difíceis”, apela o Chefe de Estado, certo de que “seremos igualmente capazes de superar as dificuldades do presente”, que intimam solidariedade e entreajuda.
 
Durante a sua intervenção, José Maria Neves evocou a memória e prestou uma “justa e merecida homenagem” a Amílcar Cabral, que “conseguiu personificar e interpretar o sentimento mais profundo e secular do povo cabo-verdiano” e saudou os jovens companheiros de Cabral, os Combatentes da Liberdade da Pátria, que tiveram o privilégio de protagonizar essa fase exaltante da história do país.
Entre os desafios atuais, o Presidente da República mostrou-se particularmente preocupado com a crescente insegurança alimentar e suas nefastas consequências, apelando para que se faça o que for necessário para acudir às famílias que estão a passar por maiores dificuldades e combater a pobreza extrema.
 
José Maria Neves deixou, também palavras de apreço à diáspora cabo-verdiana, que tem sabido ser generosa e solidária com os familiares nas ilhas, particularmente nos momentos difíceis.
O mais alto Magistrado da Nação chamou atenção para a necessidade de reforçar a esfera da autonomia individual e que se abra mais espaços para a afirmação do indivíduo e das liberdades, permitindo mais participação e liberdade de opinião.
 
Manifestou grandes esperanças em relação à juventude cabo-verdiana, hoje com melhores condições e oportunidades para a sua formação e capacitação, mas que enfrenta problemas como falta de saídas profissionais e o desemprego.
 
Neste contexto difícil, o Chefe de Estado reitera a sua inteira disponibilidade em colaborar, associando-se à Nação, tanto na mobilização de meios, como em outras ações tendentes à mitigação das múltiplas crises que afetam o país, particularmente a população mais pobre.
 
A todos deixa esta garantia: “O Presidente da República está de prontidão e tudo fará para que Cabo Verde prevaleça”.
 
Durante a Sessão, José Maria Neves, que discursou nas línguas Cabo-verdiana e portuguesa, prestou, também um tributo ao Antero Simas, que vai esta tarde a enterrar, na Praia.
“Antero Simas, bo ki, oji, sa ta brilha na meiu di strelas di firmamentu, N ta fla-bu di es tribuna: Kabu Verdi e i ta kontinua ta ser senpri! nos “Doce Guerra” (Antero Simas, tu que hoje brilhas por entre as estrelas do firmamento, digo-te, desta tribuna, Cabo Verde é e continuará a ser, sempre a nossa “Doce Guerra).

Leia o discurso na integra

Ilustris konvidadu,

Sinhoras i Sinhoris

Juventudi Kabuverdianu,

Nes nha primeru intirvenson, komu Prizidenti di Republika, na sirimonia kumimorativu di Dia Maior di Nason Kabuverdianu, nha sentimentu di orgulhu e igual ku kel di kel joven ki, na 5 di julhu di 1975, sa ta vibraba kantu e sa ta prizensiaba, na Stadiu di Varzia, un akontisimentu uniku na storia di nos povu, akontisimentu ki sirbi di inspirason pa puetas i muzikus kabuverdianu, akontisimentu ki rikise nos kansioneru ku autentikus inu, sima kel li:

“Nha armon já nôs é livre e independenti,

Bem dixam dá’bo um grande abraço,

Um abraço di homem livre”.

Kuarenta i seti anu dipos, e ku satisfason ki N ta nota ma sabura i spritu di kel Dia di Speransa ka more i es sa ta torna nase na kada 5 di julhu. Sima nu kumesa “anda ku nos propi pe”, tudu muda, i es data, inisialmenti di speransa, bira sinbulu di kunfiansa, fator unifikador i mobilizador di grandi Familia kabuverdianu, li na ilhas i la na diaspura.

Nos kaminhada, duranti es anus, foi di dizafius jigantesku, prinsipalmenti kel dizafiu di sobrivivensia, ti kaba ku medu di fomi, ki staba, na 1975, ta kansa-nu xintidu. Nu insisti, nu rizisti, i ku txeu koraji, nu avansa. Balansu di es kaminhada ti dia di oji e, di tudu pontu di vista, puzitivu. Prinsipalmenti, e un balansu ku grandis konkista. Trokadu kel li, nu ten motivu pa torna fika ta selebra 5 di julhu sima ta kontiseba antis, non so ku atus suleni, mas tanbe ku festas popular ku txeu sabura na tudu bairu i kutelu di arkipelagu i na tudu kantu di mundu undi ten kumunidadi kabuverdianu; afinal, e nos ki, tudu santu dia, nu ta reinventa un país, Kabu Verdi, pa nu ama i pruteji.

Antero Simas, bo ki, oji, sa ta brilha na meiu di strelas di firmamentu, N ta fla-bu di es tribuna: Kabu Verdi e i ta kontinua ta ser senpri! nos “Doce Guerra”.

Kabu Verdi ka ta izijiba nen ka ta iziji menus! Basta nu lenbra di sertus profesia sobri futuru di país ki sa ta naseba: Kabu Verdi, nen dipendenti, kifari indipendenti. Nu akridita na nos kabesa na kumesu di es aventura komu Stadu suberanu i donu di se distinu, nu sunha ku un vida dignu, di prugresu i konfortu pa tudu fidju di es tera. Oji, trokadu vitorias ki dja nu konsigi, situason e txeu diferenti: kes diskrenti di 1975 dja bira ta akridita na nos i na nos kapasidadi di muda sorti di Storia, ki, ti Indipendensia, foi di karestias i trajedias.

 

O 5 de julho marca o ponto de inflexão no destino destas ilhas. Perante os atuais desafios, temos a obrigação de continuar a surpreender o mundo, com força, determinação, capacidade de resistência e resiliência, como já demonstrámos em situações muito mais difíceis. Com humildade, realismo e inspirados no percurso que juntos construímos, seremos igualmente capazes de superar as dificuldades do presente.

Tal como no passado, Cabo Verde saberá ultrapassar estas adversidades, com um djunta mon entre todos os seus filhos, residentes e nas diversas ilhas da diáspora. O momento é de solidariedade e de entreajuda, consubstanciadas num maior espírito de assunção e prática do bem-comum. Nesta luta, o heroico povo caboverdiano, e em especial a sua juventude, terá em Cabral a sua fonte de inspiração.

Desejo, pois, evocar a memória e prestar uma justa e merecida homenagem a Amílcar Cabral, cuja liderança inteligente, e numa oportunidade histórica, conseguiu personificar e interpretar o sentimento mais profundo e secular do povo caboverdiano, alimentado por várias gerações, e sem se furtar a sacrifícios e adversidades, conduziu a luta que culminou na Independência nacional.

Endereço as minhas calorosas saudações aos jovens companheiros de Cabral, os Combatentes da Liberdade da Pátria, em especial os presentes nesta sala, prestigiando esta cerimónia, e que tiveram o privilégio de protagonizar essa fase exaltante da nossa história, concretizando o sonho da Independência alimentado pelos nacionalistas caboverdianos desde o século XIX. O nosso reconhecimento pelo vosso sacrifício, idealismo, generosidade, os quais permitiram que, em diferentes cenários e circunstâncias, se destacassem, tendo sido decisivos pela vossa valiosa contribuição para a conquista da Independência.

O vosso exemplo, e esta nossa Independência, bem-sucedida, são tónicos para enfrentar os desafios do presente, como a seca, as mudanças climáticas, a ainda excessiva dependência e outras debilidades que afetam particularmente a juventude, como são os casos do desemprego, das assimetrias regionais e da perda de população que ocorre nas ilhas mais periféricas, ou, ainda, da emigração qualificada. Se “as estiagens já não nos metem medo”, urge então termos a audácia, o engenho e a perseverança para ultrapassarmos novas barreiras, pois que ao longo da nossa história elas se vão renovando e nada nos tem sido fácil. O certo é que o heroico povo caboverdiano tem sabido superá-las, em batalhas árduas e esforços obstinados.

Mas, nu ten ki matuta sobri kes soluson, ki da bons rizultadu na pasadu i ki, gosi, pode ka ten mesmu ifikasia pamodi novu rialidadi. Nu ten ki kestiona i pensa na novus skolha pa kurtu, mediu i longu prazus. Kel li e un prusidimentu normal i dizejavel, di susesivus aperfeisuamentu i di permanenti rikonfigurason di kaminhus. Asves, vitorias konsigidu ta obriga-nu muda di abordajens, faze novus skolha i izijensias, sigi otus kaminhu.

Nu ten konsensia ma, trokadu nos frajilidadis, txeu variavel ka ta dipende di nos. Mas, kel li ka debe parti nos npenhu pa stabelesi algun ikilibriu stratejiku entri kurtu i longu prazus, ivitandu disizons ki ta txiga pertu di “prizentismu” i “kurtuprazismu”.

Mesmu ki sirkunstansias obriga-nu navega a vista, rumu debe ser senpri un perspetiva di mediu i longu prazus, ku privizon di un serii di senarius alternativu. Kes opson skodjedu ta kondisiona perkursus i kes objetivu ta rizulta di es skolhas, skolhas ki pode ser mas o menus bon.

Gosi ki tudu kes nos vulnerabilidadi sta mas klaru, nu debe, ku umildadi, rikunhese erus, si es ta izisti, i kuriji rota, tentandu senpri faze kel ki e midjor pa ben di dizenvolvimentu di Kabu Verdi, ku konvikson ma so ku ntendimentu, konsensus i stabelesimentu di pontis, nu ta pode anda ku mas konfortu, ba mas lonji i ba ta txiga na portus siguru.

Nu ten ki rikunhese ma, pa un tera ton abertu i sensivel a tudu ki ta pasa na mundu, kontestus i dizafius dja bira mas konpleksu. Trokadu kel li, nos tudu e poku na buska di midjoris soluson. Alguns dadu ta iziji-nu rispostas i ta fadiga-nu, spesialmenti kazu di kresenti insiguransa alimentar i ses mau konsikuensia.

Sima antis, nu ka pode bota tuadja dianti di vulnerabilidadis, prinsipalmenti insularidadi i falta di txuba. So ta resta-nu kel atitudi vizionariu i anbisiozu, sima kel di jerason di Cabral, jerason ki ka fika ku medu di difikuldadis. Nu ten ki kontinua ta luta pa un futuru di dignidadi i konfortu pa tudu Kabuverdianu i Kabuverdiana. Kel li signifika faze kel ki e nisisariu pa djuda kes familia ki sa ta pasa pa mas difikuldadi. Sertus senariu ki ta faze parti di imajinariu kuletivu di es Nason, difinitivamenti, dja pasa pa Storia, sen ipotezis di ripiti nes sekulu XXI.

Urge aperfeiçoarmos as capacidades de planeamento e de antevisão de cenários futuros, encontrar saídas para o presente e responder à questão: que Cabo Verde queremos neste Século XXI? Confiamos na capacidade intrínseca deste povo, já bastas vezes demonstrada, de encontrar em si mesmo força, vontade, determinação e energia necessária para trilhar o caminho do desenvolvimento.

Por outro lado, as crises, e já vivenciamos muitas ao longo da nossa história, podem revelar-se como oportunidades para mudanças de atitudes e de comportamentos. Temos de acelerar o passo na transformação da economia, tornando-a mais diversificada, resiliente e inclusiva; operacionalizar as condições para o reforço da produção nacional de alimentos e das cadeias de valores para consolidar o turismo; aumentar a coesão territorial, a conectividade dentro e fora do território nacional, a competitividade do país e de cada uma das ilhas; bem como lutar contra as desigualdades em geral, e entre as ilhas, em particular. Constata-se a necessidade de redução das assimetrias regionais, através da adoção de medidas de valorização das ilhas, como defendo, pela atribuição de mais poderes e de mais recursos, adentro de uma estratégia de reforço da descentralização.

As desigualdades que, infelizmente, têm aumentado no nosso país, possuem os ingredientes para corroer as bases de uma sociedade. Sendo assim, temos justificadas razões para a mobilização da Nação para o seu combate, através de medidas de política que gerem verdadeiras oportunidades para todos.

A pobreza extrema, em crescimento, deve merecer especial atenção de todos. Só medidas consistentes, que garantam rendimentos de trabalho e estáveis, serão capazes de resolver o problema de dependência de largos milhares de famílias, pelo que medidas emergenciais serão bem-vindas, nas atuais circunstâncias, mas cujos efeitos estarão sempre aquém do desejável. Por outro lado, a erosão do poder de compra tem afetado a generalidade das famílias, mas de forma mais aguda, as de rendimentos mais baixos, incertos, e aquelas que não têm rendimentos, todas requerendo maior atenção por parte dos poderes públicos e da rede nacional de instituições de amparo social.

Sobri krizi ki nos tera sta nel nes mumentu, pamodi e ten txeu kauza, e sa ta atinji tanbe, mas txeu o mas poku, nos 11º ilha. Mesmu asin, nos diaspura sa ta kontinua ta ser di kurason grandi partikularmenti ku ses familia rizidenti li na tera o ku kes kumunidadi mas karensiadu. Es nobri atitudi solidariu ta mostra ma, na mumentus mas difisil, nos diaspura ta sta senpri na nos ladu.

N ta apruveta es oportunidadi pa N manda nos grandi diaspura mantenha, pa N manifesta-s nha rikunhisimentu i agradesimentu pa forma modi, na mumentus di difikuldadi, es ta aprosima di tera-mai, kuza ki ta riforsa sentimentu di pertensa a es grandi Nason. N ta manifesta nos diaspura tanbe nha gratidon pa forma modi el ten stadu ta labanta nomi di Kabu Verdi na 7 partida di mundu, kuza ki sa ta bira-s autentikus enbaixador di nos Republika.

Nhos kontribuison solidariu i patriotiku pa dizenvolvimentu di Kabu Verdi e rei di txeu i ta merese lova. Txeu di nhos sa ta kontribui pa mas i maioris enpreza li na tera i pa aumentu di rikeza nasional. Trokadu kel li, N ta difende ma nhos debe tratadu dretu. Pa izenplu, debi tomadu mididas inovador ki ta fasilita integrason di diaspura na sosiedadi kabuverdianu. Pamodi diaspura dja ten un eliti mas kualifikadu, prinsipalmenti sientistas i akademikus, N ta difende tanbe ma debe kriadu kondisons ki ta fasilita rimesa di kunhisimentu, kondisons ki ta fasilita rekrutamentu di kuadrus pa diferentis aria institusional, akademiku i enprezarial li na tera.

Quarenta e sete anos após a Independência e trinta e dois anos depois da transição para a democracia, é fundamental ter em conta a necessidade de se alargar e criar as condições para o rigoroso cumprimento dos direitos fundamentais, pela ampliação da revolução liberal iniciada nos anos noventa e consolidação do liberalismo político em Cabo Verde.

Ou seja, carece de ser repensada e aperfeiçoada, com vista a reforçar os princípios do liberalismo clássico e criar as condições para um debate sobre o que é que está a condicionar o nosso futuro. A qualidade da democracia deve constituir-se numa preocupação fundamental dos atores políticos, e não só, tendo em conta que, por várias razões, é patente o deficit do exercício de cidadania, o que justifica que a política precisa ser elevada a um outro patamar, condizente com a complexidade e as exigências dos tempos “gasosos” em que vivemos.  

Há que ampliar e enriquecer o processo de construção da democracia e do Estado de Direito, cumprindo na plenitude os princípios e os valores que enformam o liberalismo político, mediante o reforço das instituições políticas e económicas, que devem ser mais inclusivas, e da autonomia individual de forma a garantir mais igualdade e mais universalismo na ação política e na formação de políticas. A situação atual é de uma excessiva dependência em relação ao Estado tanto do indivíduo como da sociedade civil e de uma baixa intensidade de debates na formulação de políticas públicas.

O anseio – e a necessidade – é de que os principais atores políticos voltem a aprender a discutir; e que a nossa democracia representativa seja reforçada, sobretudo na participação política, onde já há sinais de algum desencanto, percetível pela crescente taxa de abstenção. Temos uma classe política que, paulatinamente, foi perdendo a capacidade – ou o hábito – do convencimento com argumentos, tanto em relação aos seus adversários como em relação à população em geral, ao mesmo tempo que o espaço público é excessivamente polarizado e partidarizado.

Há dúvidas, e muito se questiona, se certos políticos no ativo já tiveram a experiência do exercício do contraditório. Se por um lado há a necessidade de busca incessante de consensos por parte dos principais atores políticos, apesar dos dissensos, esta atitude refratária em relação ao diálogo não é propícia à obtenção de entendimentos em torno de questões estratégicas para o desenvolvimento do país.

Temos que estar cientes de que democracia é “conflito de interpretações”, é discussão, é divergência. Mas uma divergência com debate fundamentado, de acordo com as normas democráticas. Fica o apelo para que haja maior confiança política mútua, entre os partidos políticos, realçando que, em democracia, é fundamental o respeito pela diferença.

Em democracia, as decisões públicas são debatidas publicamente, com possibilidade de discussão e contra-argumentação, escutando todas as partes e agregando todas as sensibilidades, para uma melhor qualidade da decisão. Do mesmo passo, quanto mais robustos forem os órgãos de intermediação (partidos políticos, mídia, academia, sindicatos, ONG’s), maior será a possibilidade de termos uma democracia mais inclusiva, logo, mais representativa, ao escutarmos e articularmos as diversas sensibilidades político-sociais. Estou, por outras palavras, a fazer uma vigorosa defesa da democracia representativa, enquanto espaço de gestão da diversidade e da agregação de todas as sensibilidades, que, de outro modo, ficariam à margem dos processos políticos. Pelo reforço da democracia representativa preencheremos os espaços vazios que parasitariamente poderiam ser capturados por grupos extremistas, populistas e iliberais.

Reafirmo, e esta é uma ideia que quero deixar muito bem vincada neste 5 de julho, a necessidade de reforçar a esfera da autonomia individual, e que se possa abrir mais espaços para a afirmação do indivíduo e das liberdades. Estaremos, desta forma, a contribuir para a diminuição do número de cidadãos que se dizem receosos de participar em debates e manifestar a sua opinião publicamente. Temos, enquanto sociedade que se distingue pelo seu apego à democracia e aos valores e princípios do liberalismo político, de eliminar todas as esferas de cerceamento da liberdade de expressão ou de autocensura.

A desconcentração e a descentralização institucional e política são atitudes salutares. Em regime democrático representativo, o desejável é evitar a concentração do poder, tornando-o mais disseminado. Outro mal de que padece a nossa democracia, e sempre que ocorre uma alternância, pode ser apelidado de “síndrome da primeira vez”.

O bom senso manda que saibamos gerir melhor as alternâncias, em vez de descartar e mandar tudo para o caixote de lixo. É preciso aproveitar o que vem de trás, garantir a continuidade institucional, evitando o eterno recomeço. Não podemos persistir no desperdício de recursos, experiência e capacidades existentes no país.

Mundu teni kada bes mas konpitison i Kabu Verdi ka pode fika pa tras. Kel li ta iziji di nos mas sforsu, ta iziji-nu mas kultura di meritu, di rigor, di inpesualidadi, di universalidadi, di risponsabilidadi, di transparensia, sobritudu na Administrason Publiku. N ta difende ma Administrason Publiku debe ser kada bes mas disburukratizadu, riformadu, mudernizadu, dispulitizadu i dispartidarizadu, sen manxas di kurupson. Es tipu di Administrason Publiku ta traze-nu txeu ganhu di konpititividadi.

Tudu speransa di Kabu Verdi sta na mon di juventudi. Nu ta akridita ma jovens kunpanheru di Cabral, atraves di ses perkursu, debe ser fonti di inspirason pa jerason di oji. Mas, novus tenpu ta traze novus dizafiu, alguns mas konplikadu. Oji, jovens ten mas i midjoris oportunidadi di formason. Es sta kapasitadu pa da un midjor kontributu pa dizenvolvimentu di nos tera. Kuza ki asves sa ta falta e saidas prufisional. Ifetivamenti, dizenpregu ten stadu ta afeta prinsipalmenti jovens. Kel li ta priokupa nos tudu. Speransa e ma dias midjor sta pa frenti. Nos tudu ten ki luta ku npenhu pa garanti antisipason di es dias midjor.

Otu priokupason e insiguransa i kriminalidadi, prinsipalmenti na kes maior sentru urbanu, kuza ki ta mexe ku trankuilidadi sosial. Nu ta akridita ma es sa ta merese atenson i dividu akonpanhamentu di autoridadis konpitenti, pa podi garanti siguransa publiku i siguransa di sidadons.

Kabu Verdi sa ta pasa, mas un bes, pa un situason difisil i konpleksu. Nos tudu ta dizeja pa es situason ser pasajeru, pa e kaba faxi. Tomara ki nos tudu nu partisipa na soluson di es situason difisil. Prizidenti di Republika ta reitera se total disponibilidadi pa kulabora, djuntu ku Nason, tantu na mobilizason di rikursus, komu tanbe na otus ason pa debela es multiplus krizi. Es krizis ki sa ta prijudika di forma mas duru un diterminadu parti di nos populason: kes mas pobri.

Risposta pa atuais krizi e kuletivu. Debe fazedu tudu pa inpidi agravamentu di dizigualdadis sosial i pa garanti manutenson di kuezon sosial. Nu ten ki kontinua ta sforsa pa konstrui un sosiedadi di prugresu i justisa, un sosiedadi solidariu i inkluzivu, ku oportunidadis pa tudu algen, sima Cabral sunha. Nes periudu di difikuldadis, Kabuverdianus ta ntende ma nu ten ki faze sakrifisiu, mas ma sakrifisiu ka debe ser so di alguns. Nu sta kontenti ku mididas ki Guvernu toma ka dura li, enbora nu ta akridita ma normalmenti ta izisti spasus pa midjorias, spesialmenti pa benefisia kes ki krizis prijudika mas.

Lisin, N kre ser mutu klaru: Prizidenti di Republika sta di prontidon i e ta faze tudu pa Kabu Verdi privalesi riba di tudu kuza.

Os conflitos em África, na Europa e no mundo merecem a nossa atenção e reflexão. Defendemos um mundo menos desigual. Pautamos a nossa política externa pelo princípio de igualdade soberana dos Estados e o respeito pela soberania e integridade territorial dos Estados. A nossa opção, desde a 1ª hora é “por uma política de paz”.

O Arquipélago vive a fragilidade inerente a um pequeno Estado insular. Na sub-região, alguns países estão a atravessar por situações de conflitos e de suspensão da legalidade constitucional, motivos para preocupação.

Cabo Verde tem podido contar, da Independência até ao presente, com a solidariedade ativa e decisiva para o seu processo de desenvolvimento. Aproveito esta oportunidade para, através dos Senhores Embaixadores, Senhoras Embaixadoras e Representantes dos Organismos Internacionais aqui presentes, endereçar aos países amigos e às instituições internacionais, as calorosas saudações e manifestar o reconhecimento e o apreço, em nome da Nação caboverdiana.

Tudu Kabuverdiana i tudu Kabuverdianu, rizidenti i na diaspura, tudu kes ki skodje nos tera pa rizidi o trabadja, N ta dizeja nhos tudu dias midjor! N ta dizeja pa 5 di julhu kontinua ta sinbuliza posibilidadi di rializason di sonhus di es Nason! Nha dizeju e pa nhos tudu kontinua ta xinti ma bale pena nos Indipendensia, ma bale pena nu kontinua djuntu es kaminhada ki nu kumesa dja ten 47 anu!    

Nhas ultimu palavra e pa juventudi i dimas kamadas mas afetadu ku es krizis. Ku jenerozidadi i kriatividadi ki ta distingi nos juventudi, nha speransa e ma nhos ta sabe ultrapasa es periudu di maioris dizafiu, ku apoiu di nos tudu. Pa es mesmus razon, kes mai soltera, idozu, ajenti kultural, trabadjador ki perde trabadju, pesoa ku difisiensia i tudu kes otu algen ki pasa o sa ta pasa pa un piriudu di maior difikuldadi, pa tudu nhos, N ta manifesta nha karinhu i solidariedadi.

Viva 5 di julhu!

Viva Kabu Verdi!  

Muitu Obrigadu!