Investigadora sugere aposta forte no diagnóstico precoce do cancro em CV

10

A cientista Pamela Borges chamou atenção, esta terça-feira, durante a conferência promovida pela Semana da República, para a necessidade de uma aposta forte no diagnóstico precoce do cancro, que, em grande parte dos casos, continua a ser descoberto numa fase muito avançada em Cabo Verde.

Desta forma, acredita, poder-se-á melhorar as respostas e aumentar a taxa de sobrevivência da doença, que tem nas mulheres que se ocupam do trabalho doméstico e da limpeza vítimas consideráveis. E, para começar, sugere a maximização dos equipamentos de diagnósticos disponíveis no país, além da introdução de métodos mais avançados e assertivos.

A cientista apresentou, esta terça-feira, numa conferência, na Presidência da República, moderada pelo médico cirurgião Victor Costa, os resultados até agora alcançados dos dois projetos de investigação em cancro de mamã que está a levar a cabo e que já permitiu caracterizar mais de 550 casos da doença diagnosticados no junto do Hospital Universitário Agostinho Neto, na Praia. A meta é também, a partir das mutações hereditárias, ajudar na adoção de tratamentos e cuidados personalizados aos casos específicos.

Foi assim o arranque do Ciclo de Conferências enquadrado na 13ª Semana da República, que decorre sob o lema “A República pelas mãos dos jovens”. Uma forma de dar visibilidade e evidenciar os contributos e as propostas da juventude, associando a inovação às experiências acumuladas pela República, como ressaltou o Chefe da Casa Civil, Jorge Tolentino, ao dar as boas vindas aos participantes.