Presidência da República assinala Cinquentenário da Libertação dos Presos Políticos do Tarrafal

22

Conforme um primeiro anúncio feito em março último (Clique Para Ver Anúncio), a Presidência da República assinala o Cinquentenário da Libertação dos Presos Políticos do Tarrafal com um programa de comemorações a decorrer no dia 1 de Maio, no antigo Campo de Concentração, em Chão Bom, Tarrafal de Santiago.

Muito mais que um marco na história de Cabo Verde, trata-se de um capítulo essencial com repercussão nos movimentos de libertação nacional nas antigas colónias portuguesas em África. Razão pela qual o Presidente da República, José Maria Neves, convidou os seus homólogos da Guiné-Bissau, Angola e Portugal, que já confirmaram presença neste ato simbólico que reafirma o compromisso com os ideais da liberdade, autodeterminação e tolerância.

Comemorar os 50 anos da Libertação dos Presos Políticos do Tarrafal, no espaço que hoje alberga o Museu é um ato de preservação da memória e um contributo para a educação das gerações mais recentes sobre os horrores do passado colonial. O Museu do Campo de Tarrafal é um testemunho vivo das lutas e conquistas do povo cabo-verdiano, de todos aqueles que ali estiveram presos e que resistiram à opressão e lutaram por justiça.

Neste sentido, o programa prevê a conferência “Campo de Concentração do Tarrafal: Genealogia, Histórica, Modelos de Repressão e Memórias Transnacionais de Resistência”, a ser proferida pelo Professor Doutor Victor Barros.

E, porque a cultura é um traço comum de resistência, o “Concerto da Liberdade” fecha o dia, com um espetáculo que irmana artistas de 4 países: Mário Lúcio (Cabo Verde), Teresa Salgueiro (Portugal), Paulo Flores (Angola) e Carina Gomes (Guiné-Bissau).

O programa de comemorações, na foto abaixo, organizado pela Presidência da República, com um custo aproximado de oito milhões de escudos, integralmente cobertos pela parceria com diversas entidades do sector privado nacional e internacional, permite honrar a memória de todos aqueles que passaram pelo Campo de Concentração do Tarrafal e contribuíram para estarmos hoje onde estamos.